PUBLICIDADE

Vila Viçosa projeta circuito dedicado a Florbela Espanca

Maria Antónia Zacarias texto | Gonçalo Figueiredo fotografia

Há muitas décadas que os calipolenses reivindicam uma “verdadeira” homenagem à poetisa Florbela Espanca. Esse reconhecimento ganha caminho com a fundação da Casa Florbela Espanca, um projeto particular, previsto arrancar em março do próximo ano, mas também com um investimento municipal, resultante da aquisição da casa do pai da escritora, na Rua Gomes Jardim, com vista a criar um circuito florbeliano para dar a conhecer a vida e obra de Florbela Espanca.

Vereador da Câmara de Vila Viçosa, Tiago Passão Salgueiro explica que este roteiro está projetado para ser feito em parceria com várias instituições, no sentido de “todos contribuírem para o desenvolvimento cultural e turístico do concelho” sob o nome de um dos “maiores vultos” da literatura portuguesa. 

“Durante 30 anos, a Câmara Municipal de Vila Viçosa e os sucessivos executivos tentaram negociar a casa que se encontra na Rua Florbela Espanca, onde está uma placa colocada pelo Grupo Amigos de Vila Viçosa e onde se refere que aqui viveu Florbela Espanca”, salienta o vereador, lamentando nunca ter sido possível chegar a um acordo com os proprietários do imóvel.

Entre 2018 e 2019 terminaram as conversações do anterior Executivo municipal com os proprietários e a casa de Florbela Espanca foi colocada à venda no mercado imobiliário, tendo acabado por ser adquirida por um privado. “No início, ninguém sabia o que ia acontecer à casa e, posto isso, o anterior executivo procurou um outro imóvel, que era a casa do pai de Florbela Espanca, João Maria Espanca. Um imóvel menos conhecido, onde o seu progenitor tinha um estúdio fotográfico e uma loja de antiguidades”, conta Tiago Passão Salgueiro. O interesse tornou-se maior e a Câmara avançou para a aquisição dessa casa. 

Depois de décadas e décadas sem nada acontecer, em pouco tempo, tudo muda. Surgem dois espaços que querem homenagear Florbela Espanca, “duas situações distintas, mas complementares”, afiança o autarca. “O imóvel da Rua Florbela Espanca foi adquirido por um particular que está já a avançar com um projeto cultural com a designação de Casa Florbela Espanca e o atual executivo ficou com ‘o menino nos braços’, com um outro imóvel ao qual tem de dar alguma função”.

O vereador anuncia que o objetivo é criar, em Vila Viçosa, um circuito que englobe os diferentes monumentos alusivos à poetisa, nomeadamente o mausoléu que se encontra no cemitério, o monumento de homenagem, o busto e as duas casas, a privada e a municipal. 

“A casa, propriedade do município, tem de sofrer obras de requalificação e remodelação para a tornarmos funcional. Entretanto vamos avançar com a sua musealização, estando a reunir o maior acervo possível da escritora”, avança. Foi conseguido algum espólio através de um acordo com o Grupo Amigos de Vila Viçosa, associação local de defesa do património, que tem alguns objetos pessoais de Florbela Espanca que foram deixados pelo seu último marido, Mário Lage. “São alguns manuscritos, algumas fotografias, objetos pessoais e o berço de Florbela Espanca, ou seja, todos esses objetos vão fazer parte do projeto municipal”. 

A isto acresce uma coleção de pintura da autoria de João Maria Espanca, propriedade da autarquia, que está cedida à Escola Secundária de Vila Viçosa para uma exposição de homenagem à poetisa. “A nossa ideia é também fazer a recolha de materiais que estão dispersos noutras coleções particulares, estando a encetar-se essas negociações”.

Tiago Passão Salgueiro afirma não saber ainda qual vai ser a designação do projeto municipal. “Poderá ser Casa da Família Espanca, Casa Museu João Maria Espanca, mas o mais importante é mesmo a criação desse circuito florbeliano para que o visitante possa conhecer os diferentes locais por onde Florbela passou”. 

Segundo o autarca, trata-se de um projeto que constitui uma “mais-valia” não só para a terra, mas também para o mundo lusófono. “Temos dezenas de investigadores brasileiros que vêm a Vila Viçosa à procura de informações sobre a poetisa. Há dezenas de pessoas que desenvolvem teses e trabalhos de investigação de mestrado e doutoramento no Brasil sobre a obra de Florbela Espanca”, refere. 

Trata-se, no entender do município, de uma “marca” que “deve ser aproveitada quer do ponto de vista cultural, quer do ponto de vista turístico”.  O vereador recorda que a poetisa é um dos maiores vultos da literatura portuguesa e lusófona. “Foi uma mulher que teve um percurso pioneiro na escrita no feminino. Teve uma atitude muito frontal em relação aos valores próprios da época, numa sociedade demasiado conservadora. Ela acabou por abrir o livro da emancipação feminina em Portugal”. 

PASSOS DE FLORBELA NA CAPITAL DA CULTURA

Ainda não está criado, mas Tiago Passão Salgueiro garante que “faz todo o sentido” que o futuro circuito florbeliano em Vila Viçosa possa, de alguma forma, integrar a programação de Évora – Capital Europeia da Cultura 2027, desde logo por Évora foi outra das cidades por onde a escritora viveu. O autarca afirma que o município tem o desejo de trabalhar em equipa, valorizando o nome da poetisa, de Vila Viçosa e de todo o Alentejo. “Aliás, na própria obra de Florbela Espanca, essa descrição do Alentejo é feita, bem como os sonetos acabam por ter Évora como inspiração. Eu penso que faz todo o sentido termos aqui um circuito mais abrangente que inclua também Évora e outras localidades do Alentejo que tenham outros vultos da literatura”, conclui.

Partilhar artigo:

PUBLICIDADE

FIQUE LIGADO

PUBLICIDADE

© 2023 SUDOESTE Portugal. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por WebTech.