PUBLICIDADE

Praias de Alqueva procuradas por mais de 140 mil turistas

Ana Luísa Delgado, texto

Cerca de 140 mil turistas são esperados este verão nas cinco praias fluviais de Alqueva, o maior espelho de água da Europa. A perspetiva, diz José Manuel Grilo, presidente da Câmara de Portel, é que seja “superada” a procura turística do ano passado.

As praias de Amieira e de Alqueva, situadas no concelho de Portel, têm sido cada vez mais visitadas por turistas portugueses. “É gente do Norte, das zonas mais urbanas, muitas delas caravanistas, para aproveitarem a calma e espaço para as crianças brincarem, sem muitas preocupações com as águas tranquilas do nosso lago de Alqueva”, diz o autarca. “Também há estrangeiros, sobretudo franceses, famílias inteiras, através do caravanismo”, acrescenta.

Já na praia de Monsaraz os estrangeiros são fundamentalmente “franceses, holandeses e americanos”, revela Tiago Kalisvaart, responsável pela concessão, acrescentando: “São turistas que procuram o turismo náutico, o turismo das estrelas”, enquanto os de praia “são essencialmente portugueses, que, em agosto, passam mais tempo nas unidades de alojamento local, ao contrário de junho e julho em que vinham essencialmente ao fim de semana”.

Tiago Kalisvaart nota que, este ano, as pessoas “gastam menos dinheiro nas refeições, são mais poupadas, trazem muitas vezes a geleira com comida e bebidas”, e sustenta que a explicação está “na subida dos juros  dos créditos à habitação e na inflação”.

Ainda sobre as praias de Amieira e Alqueva, diz José Manuel Grilo, “ambas são seguras, sendo que a Guarda Nacional Republicana faz regularmente o seu patrulhamento. Até agora não houve qualquer desacato que prejudicasse o seu normal funcionamento”.

Relativamente aos nadadores-salvadores, salienta que a autarquia “cumpre” a lei. Já as temperaturas elevadas têm provocado várias insolações. “Este sol é diferente do algarvio e por vezes as pessoas ficam bastante tempo expostas e sem ingerirem os líquidos necessários, o que leva a terem quebras de tensão, que pode ser explicado pelas elevadas temperaturas”, salienta.

“Os nossos nadadores-salvadores têm tido o cuidado de chamar a atenção dos veraneantes. Depois de serem assistidos e passarem algum tempo em sítios mais frescos, os turistas ficam melhor e voltam para o sol”, conclui.

Partilhar artigo:

FIQUE LIGADO

PUBLICIDADE

© 2024 SUDOESTE Portugal. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por WebTech.