PUBLICIDADE

Obras em três escolas da região no topo das prioridades

Luís Godinho texto | Vítor Brasão (Facebook)

Há três escolas do Alentejo onde o Ministério da Educação considera que a realização de obras é “muito urgente” e que serão as primeiras a avançar com os projetos de requalificação. A lista é composta pela Escola Básica e Secundária Dr. João Brito Camacho (Almodôvar), pela Escola Básica Mestre de Avis (Avis) e pela Escola Secundária de Serpa. Os custos serão assumidos a 100% pelo Governo.

No caso de Almodôvar, a autarquia tem já um projeto “pronto e aprovado” pelo Ministério da Educação. A obra custará cerca de cinco milhões de euros. Segundo a autarquia, este estabelecimento de ensino tem mais de 30 anos, não assegurando condições de conforto para a comunidade escolar.

“As paredes são finas, o calor e o frio passam com facilidade. As janelas não garantem isolamento de som, nem de calor, nem de frio. A instalação elétrica está completamente degradada. As canalizações requerem manutenção, praticamente, todas as semanas”, revelou o presidente da Câmara, António Bota, em declarações ao “Diário do Alentejo”, onde revelou que as obras terão de ser realizadas de forma “faseada” pois “não temos onde colocar os alunos”.

Outra intervenção “muito urgente” é a da Escola Secundária de Serpa, com cerca de 400 alunos, na qual há muito que pais e professores exigem a realização de obras. Infiltrações de água, falta de isolamento térmico, instalações elétricas obsoletas, problemas de canalização e águas residuais são alguns dos problemas identificados. O estado de degradação obriga a que parte do edifício não possa ser usado para atividades escolares por falta de condições de segurança. O investimento previsto é superior a 3,4 milhões de euros.

Para a Escola Básica Mestre de Avis, a autarquia local aprovou em 2020 um projeto de requalificação e modernização, prevendo um investimento global de 6,2 milhões de euros. A autarquia lembra que a infraestrutura existente data de 1982 e “já não responde às necessidades e aos desafios que se colocam atualmente aos desígnios da educação do século XXI”. 

O projeto apresentado envolve a demolição integral do conjunto dos atuais três blocos modulares e da portaria, mantendo-se o auditório e o pavilhão gimnodesportivo, de construção recente, que serão alvo de obras de melhoramento. Também o túnel existente sob a Estrada Nacional 244, de acesso ao edifício, que apresenta evidentes sinais de degradação, será objeto de uma intervenção ao nível do revestimento das paredes e enquadramento das escadas, rampa e túnel.

OUTRAS ESCOLAS

Se as obras consideradas “muito urgentes” poderão arrancar até final do ano, as consideradas “urgentes” ou “prioritárias” terão de esperar por 2023. A lista de escolas a intervencionar inclui, entre outras, a Básica de Santiago Maior (Beja), a Sebastião da Gama (Estremoz) e quatro escolas de Évora: Conde de Vilalva, André de Gouveia, Santa Clara e Manuel Ferreira Patrício. A requalificação da Escola Básica José Régio, em Portalegre, é também considerada “urgente”.

Partilhar artigo:

PUBLICIDADE

FIQUE LIGADO

PUBLICIDADE

© 2022 SUDOESTE Portugal. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por WebTech.