PUBLICIDADE

Município de Estremoz vai homenagear autarcas de Abril

O Município de Estremoz vai homenagear os autarcas eleitos em democracia. A iniciativa inclui-se no âmbito das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril.

Luís Godinho (texto) e Gonçalo Figueiredo (fotografia)

Todos os presidentes de Câmara, Assembleia Municipal e Juntas de Freguesia que desempenharam funções em resultado de um processo eleitoral democrático serão homenageados pelo Município de Estremoz no âmbito das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. A proposta foi apresentada pelo Movimento Independente por Estremoz (MiETZ) em reunião pública de Câmara e mereceu a concordância das restantes forças políticas (PS e Coligação Por Estremoz, liderada pelo PSD).

“É imperativo homenagear os autarcas”, considerou o vereador Nuno Rato (MiETZ), lembrando que este momento histórico “não apenas libertou o país de um regime opressivo, mas também deu voz e poder às comunidades locais”.

Na moção apresentada, o vereador lembrou que os autarcas “desempenham um papel vital na construção e desenvolvimento do concelho, representando os anseios e necessidades dos cidadãos” e que “são agentes de mudança, promovendo a participação cívica e garantindo a implementação de políticas próximas às pessoas”. Ou seja, “são eles que com proximidade e conhecimento das realidades locais contribuem para a efetivação dos ideais democráticos e progresso das comunidades”.

Por isso, acrescentou Nuno Rato, “neste marco histórico é crucial reconhecer e enaltecer o papel destes agentes locais pois são eles que fortalecem os alicerces da democracia representando o legado vivo da luta pela liberdade e poder do povo”, pelo que homenagear os autarcas, nesta ocasião, “não é apenas uma celebração do passado, mas também o reconhecimento da importância contínua do seu trabalho na construção de um futuro mais justo e inclusivo para todos”.

Por isso o MiETZ propôs a atribuição da medalha de mérito municipal a todos os presidentes de Câmara e de Assembleia Municipal “que exerceram e exercem esse cargo desde a primeira eleição livre e democrática, em cerimónia pública”, a realizar no âmbito das comemorações dos 50 anos de Abril.

“É uma boa proposta”, concordou o presidente da Câmara, José Daniel Sádio, acrescentando que deveriam igualmente ser incluídos os presidentes de Junta de Freguesia. No fundo, ao homenagear “todos aqueles que desempenharam funções” autárquicas, “é o poder local que está a ser distinguido”.

Também a vereadora da Coligação Por Estremoz, Sónia Ramos, concordou com a homenagem aos autarcas “da democracia”, embora tenha lamentado que o Executivo da Câmara de Estremoz “não tenha dado espaço a que outras forças políticas pudessem participar” na elaboração das comemorações do 25 de Abril.

“Trata-se da comemoração de um período histórico que corresponde à democracia e que a Coligação que represento valoriza muito”, acrescentou Sónia Ramos, criticando a existência de iniciativas comemorativas (ver caixa), sem que a versão final do programa tenha sido votada em reunião de Câmara. Entre as suas propostas inclui-se a realização de um concurso de artes plásticas e de poesia, o “envolvimento” das Instituições Particulares de Solidariedade Social, dos idosos que “queiram dar o seu testemunho sobre a vivência do 25 de Abril” e das escolas, evocando “um ponto alto da nossa história recente”.

“Maior democraticidade e abertura não poderia haver”, respondeu José Daniel Sádio, sublinhando que o programa foi debatido no âmbito da comissão permanente da Assembleia Municipal, “onde estão todos [os partidos] representados”. Segundo o autarca, o programa final “estará totalmente fechado” nas próximas semanas, sendo promovida “uma participação alargada a muitos dos agentes locais, como escolas e associações culturais”, estando em preparação um “grande concerto que envolva as nossas bandas”, mas ainda com “espaço para existirem contributos e propostas” dos diversos agentes locais.

“O LEGADO DE UM CRAVO”

A Biblioteca Municipal de Estremoz tem patente a exposição itinerante “O Legado de um Cravo”, no âmbito do programa de comemorações “50 anos em Liberdade”, que visam assinalar o 50.º aniversário do 25 de Abril. Trata-se de uma exposição organizada pelo Museu do Aljube Resistência e Liberdade, que relembra alguns dos acontecimentos da história de Portugal durante a ditadura, nomeadamente todas as liberdades que estiveram suprimidas durante quase cinco décadas. Poderá ser visitada até ao próximo dia 31 de janeiro.

Partilhar artigo:

FIQUE LIGADO

PUBLICIDADE

© 2024 SUDOESTE Portugal. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por WebTech.