PUBLICIDADE

Encontro da Canção de Protesto regressa a Grândola

A edição deste ano do Encontro da Canção de Protesto reúne sessões testemunhais, de cinema documental e canto livre, colóquios, exposições e concertos, e é dedicado à Canção de Protesto na Ditadura Brasileira e na Era de Bolsonaro, à Canção de Protesto em Portugal no Abraço Europeu e à relação entre Música e Conflito.

O Encontro começa no dia 16 de setembro com a abertura da exposição “Cantigas do Fogo e da Guerra”, produzida pelo Observatório da Canção de Protesto, dedicada à associação entre música e conflito, seguindo-se um concerto intitulado “A História Musical Ditadura Brasileira”, produzido pelo Instituto Memória Musical Brasileira, e um espetáculo musical protagonizado pelo grupo italiano de combat folk designado “Modena City Ramblers”.

O sábado (17 de setembro) será uma vez mais dedicado a sessões de testemunho e de cinema documental, terminando com uma sessão de canto livre — espetáculo musical anualmente concebido pelo Observatório da Canção de Protesto — em que irão participar Dominique Grange e Jacques Tardi, Maria del Mar Bonet e Borja Penalba, Marina Rossell e Zeca Medeiros com a convidada Filipa Pais.

No dia 18 de setembro, a biblioteca e arquivo do município de Grândola acolhe o colóquio “Música & Conflito”, com as participações de Mário Vieira de Carvalho, Rui Vieira Nery, Salwa Castelo- Branco e Nuno Pacheco, seguindo-se dois espetáculos sobre esta temática: o primeiro, da Casa da Achada, sobre a crise da habitação; o segundo, de Kateryna Àvdysh, dedicado à interpretação de canções próprias e populares ucranianas.

O Encontro da Canção de Protesto, com realização anual, resulta da atividade do Observatório da Canção de Protesto — organismo constituído pelo Município de Grândola, entidade promotora, a Associação José Afonso, a Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, e os institutos da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa nomeados Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM), Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança (INET-md), e Instituto de História Contemporânea (IHC).

Partilhar artigo:

PUBLICIDADE

FIQUE LIGADO

PUBLICIDADE

© 2022 SUDOESTE Portugal. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por WebTech.