PUBLICIDADE

“Ai, Alentejo”, as memórias rurais de Abílio Amiguinho

Nascido em 1955 em Santa Eulália (Elvas), Abílio Amiguinho, professor coordenador, aposentado, do Instituto Politécnico de Portalegre, acaba de publicar um livro de memória. “Nascia-se, casava-se, trabalhava-se e morria-se na aldeia ou no território à medida do seu horizonte, permanecendo uma vida do mesmo lado social: quase todos pobres e alguns ricos”, escreve.

Carlos Fino (texto) e Gonçalo Figueiredo (fotografia)

Como escreveu Fernando Pessoa, “Quem quer dizer o que sente/ – não sabe o que há de dizer/ Se fala, parece que mente/ – se cala, parece esquecer”. Este não é o único dilema que se coloca a quem como eu é conferida a missão de apresentar um livro. Outro é o de saber até onde poderá ir na apreciação crítica que terá necessariamente de fazer, se for o caso, para não se trair a si próprio e ao mesmo tempo não dececionar nem o autor nem o público que o lê. A mesma questão se coloca quanto aos elogios – até onde ir sem ser exagerado, correndo o risco de matar pelo excesso.

Trata-se, no fundo, como em muitas outras situações da vida, de procurar o equilíbrio, o justo meio

– nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Mas há um porém para o qual vos tenho de advertir em abono da objetividade – embora nos separem sete anos em termos de idade, somos ambos do mesmo Alentejo – o Alto e, mais concretamente, ambos com infância e juventude vivenciadas na planície, mais do que na serra.

Não espanta por isso que haja da minha parte um inteiro e confesso partidarismo na apreciação da obra. Ela trouxe-me de volta e de chofre todo o Alentejo da minha infância: as imagens, os sons, os cheiros, as paisagens, os rostos, as vozes, a culinária, as feiras, a fartura da Páscoa – as cadências do cultivo do solo marcadas pelas festas religiosas – tudo vivências que marcam uma vida e moldam o caráter. Trouxe-me de volta também um mar de expressões, ditados, nomes, mesmo de coisas ou situações comuns na infância que entretanto desapareceram dos nossos radares – de galos na cabeça a sabão macaco, passando por rebenta bois, entre muitos outros.

Isto, a par de designações de plantas, instrumentos de produção e de uso diário que o autor vai citando, que tornam necessário, para quem não é daqui e até para muitos que daqui são, como eu, o recurso frequente, a todo um glossário no final do volume, que aliás se pode, com utilidade e prazer, ler por si mesmo. 

Começando devagarinho, com a descrição de uma aurora a despontar no campo, ainda sob o céu estrelado, acordando ao mesmo tempo que o rebanho a seu cargo, o autor vai-nos levando, a pouco e pouco, através de pequenas crónicas, para essa realidade hoje quase remota, operada que foi – para o bem e para o mal – a partir dos anos 80, a separação entre a agricultura e o meio rural, pondo fim a um certo tempo longo vindo das profundezas da História, que parecia não ter mais fim. 

Mas, se o relato assim repartido em crónicas curtas, ajuda a progredir na leitura, isso não deve iludir-nos. Este não é propriamente um livro fácil: pelo contrário, é um livro exigente, porque as estórias relatadas vêm envoltas, todas elas, numa aura de poesia – como é próprio do Alentejo – que nos obriga a ler e reler uma e outra vez até que por fim a imagem se torne nítida. 

Trata-se, como bem assinala, no prefácio, o professor Rui Canário, evocando Antunes da Silva e o seu “Alentejo é Sangue”, de “um cortejo de sonhos de um rio abstrato que corre nos anos da nossa memória; e as águas desse rio dão calor às plantas e matam a sede dos homens”. O estilo, nota, lembra Raúl Brandão, Graciliano Ramos, Saramago, Rodrigues Miguéis… E ainda, diríamos nós, certos trechos de Aquilino e de Alves Redol. Para já não falarmos, no plano antropológico, da consagrada tese de José Cutileiro “Ricos e Pobres no Alentejo”. Tudo isto à mistura com referências de ordem científica, sociológica e histórica, que enquadram e contextualizam as descrições dos episódios.

É com toda esta complexidade que o leitor se defronta, sendo desafiado a ponderar e refletir. As estórias oscilam entre episódios pungentes que revelam as profundas diferenças sociais e alguns quadros pícaros ou simplesmente engraçados, uns e outros dignos de filme. Quando, por exemplo, nos fala das mudanças no mercado de trabalho induzidas pela emigração, sublinha que o caráter das gentes do povo permaneceu, no essencial , idêntico, “na determinação, no não ter medo nem recuar na adversidade e muito menos no trato com os superiores. No entanto, solidário sempre com os do mesmo lado”.

No fundo, confirma, neste passo e ao longo de todo o texto nos episódios que descreve, o que já Torga assinalara: “É preciso ter uma grande dignidade humana, uma certeza em si muito profunda, para usar uma casaca de pele de ovelha com o garbo dum embaixador. Foi a terra alentejana que fez o homem alentejano, e eu quero-lhe por isso. Porque o não degradou, proibindo-o de falar com alguém de chapéu na mão”.

Quanto aos episódios burlescos, pícaros ou divertidos, e não querendo ser ‘spoiler’, lembro por exemplo a corrida das crianças saltando por entre as travessas do caminho de ferro que só por milagre não terminou em tragédia, os ovos quebrados numa tentativa gorada, em conjunto com a mãe, de contrabando para Espanha em tempo de vacas magras ou ainda umas laranjas perdidas, deslizando pelo rio, escapando ao alcance das mãos.

Feito assim o elogio, em que os mais críticos não deixarão de ver laivos de crítica, resta-nos fazer uma crítica que é um elogio: o autor apaga-se propositadamente, preferindo sempre a primeira pessoa do plural à primeira do singular, apagando-se no coletivo como que se o relato viesse de todos, da realidade vivida e não dele.  E mesmo quando expressa crítica ou desagrado, como em relação à velha escola, nunca levanta a voz.

Tudo somado, entre as lendas e narrativas pessoais e as descrições gerais enquadradas pelo conhecimento científico posterior, há sempre neste livro uma espécie de diálogo surdo entre o pastor de rebanhos que o autor foi na infância e adolescência, e o pastor de ideias, teorias e conceitos, que passou a ser quando se formou e passou a lecionar. No sedimento desse confronto, resta sempre a poesia.

Partilhar artigo:

FIQUE LIGADO

PUBLICIDADE

© 2024 SUDOESTE Portugal. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por WebTech.